Home Seções Marketing / Comunicação / Vendas Quando uma criança pode entrar na piscina?

Quando uma criança pode entrar na piscina?

Dicas de segurança para nadar com criança
Desde a construção de força central e uma base física saudável até a melhoria da flexibilidade e coordenação, nadar é algo que toda criança deveria aprender a fazer.
Falando em bem-estar infantil, é preciso avaliar e compreender o bem-estar das crianças e os benefícios da natação e de outras atividades físicas. No entanto, muitos pais naturalmente se preocupam em levar uma criança pequena para a água. Então, quando exatamente é uma boa hora para levar seu filho à piscina?
Com que idade uma criança deve entrar na piscina?
Embora não exista uma orientação absoluta – o consenso geral dos pediatras e outros profissionais de saúde é que os bebês com menos de 6 meses (alguns diriam 12 meses) devem evitar nadar/piscinas.
A segurança da água é claramente importante para todas as idades. O afogamento foi a segunda principal causa de morte por lesões não intencionais em crianças norte-americanas de 1 a 19 anos entre 2000 e 2006, de acordo com o CDC. Vítimas de afogamento não fatais geralmente passam bem, mas 5 a 10% apresentam danos neurológicos graves. A maior taxa de afogamento ocorre em crianças de 0 a 4 anos, com metade dos afogamentos ocorrendo em piscinas. Bebês com menos de 1 ano apresentam alto índice de afogamento em banheiras e grandes baldes de água.

Para evitar o afogamento, os especialistas geralmente recomendam “camadas de proteção”, incluindo:
Sempre um adulto com a criança; Cerca de piscina; Capas de piscina; Alarmes de piscina; Salva-vidas; Treinamento em RCP; Instrução de natação e habilidades de sobrevivência na água; Dispositivos de flutuação pessoal – consulte “Que tipo de
colete salva-vidas deve usar”.

As possíveis preocupações para bebês e crianças pequenas em relação a piscinas e outras águas recreativas incluem:
Imunidade neonatal; Agentes infecciosos transmitidos pela água, especialmente infecções do trato gastrointestinal; Problemas de pele, incluindo dermatite e queimaduras solares; Doenças respiratórias agudas, incluindo potencial aumento do risco de asma e bronquiolite secundária à exposição a subprodutos de cloração;
Hipotermia secundária à exposição à água fria/fria e ao ar; Hipertermia secundária à exposição a altas temperaturas da água em spas e banheiras de hidromassagem; Hiponatremia secundária à ingestão de água.

Dicas de segurança para natação
A natação é uma forma fantástica de exercício e um componente importante de muitas viagens nas férias de primavera e diversão nas férias de verão. Mas os pais devem lembrar que nadar também traz riscos. Estes riscos incluem a questão óbvia da segurança da água, mas também preocupações adicionais, como os danos causados ​​pelo sol.
Sempre proteger a criança do sol quando estiver nadando ao ar livre.

Dicas para proteger as crianças contra afogamento. A (AAP) Academia
Americana de Pediatria recomenda que “todas as crianças deveriam eventualmente aprender a nadar”. A AAP apoia aulas de natação para a maioria das crianças com mais de 4 anos de idade. Algumas crianças podem não estar preparadas, por vários motivos, até depois desta idade. Para crianças < 1 ano, a AAP recomenda que essas experiências sejam individualizadas.

Principais dicas de segurança em piscinas para crianças
– Nunca deixe crianças sozinhas dentro ou perto da piscina ou spa, nem que seja por um momento; a supervisão cuidadosa de um adulto responsável é a melhor forma de prevenir o afogamento em crianças.
– Sempre que nadadores inexperientes estiverem dentro ou perto da água, um Salva Vidas deve estar ao alcance.
– Instale cerca de proteção dentro dos parâmetros oficiais o redor dos quatro lados da piscina. A cerca não deve ter aberturas ou saliências que uma criança possa usar para passar por cima, por baixo ou através.
– A cerca mais segura é aquela que circunda todos os 4 lados da piscina e separa completamente a piscina da casa e do quintal. Se a casa servir como quarto lado da cerca, instale um alarme na porta de saída do quintal e da piscina. Para proteção adicional, instale protetores nas janelas voltadas para a piscina. As vítimas de afogamento também usaram portas para animais de estimação para ter acesso às piscinas. Mantenha todas as suas barreiras e alarmes em bom estado com baterias novas.
– Certifique-se de que os portões da piscina abram para fora da piscina e fechem e travem automaticamente a uma altura que as crianças não possam alcançar. Considere alarmes no portão para alertá-lo quando alguém abrir o
portão. Mantenha equipamentos de resgate e segurança por perto.
Dependendo onde estiver lembre que bóias infláveis não substituem os coletes salva vidas.

Todos deveriam aprender a nadar – A participação em aulas formais de natação pode reduzir a probabilidade de morte por afogamento na infância em 88%.
A Academia Americana de Pediatria (AAP) não recomenda programas formais de natação para crianças menores de
1 ano. Nessa idade, as aulas de natação para pais/bebês são uma forma de
diversão e vínculo, em oposição a um programa de segurança aquática.
A decisão de matricular uma criança com mais de um ano de idade em aulas de natação deve ser tomada pelos pais com base na prontidão de desenvolvimento da criança e na exposição à água, mas os programas de natação nunca devem ser vistos como “à prova de afogamento” para uma criança de qualquer idade.

Evite aprisionamento: A sucção dos ralos da piscina e do spa pode prender um nadador debaixo d’água. Não use uma piscina ou spa se houver tampas de drenagem quebradas ou faltando.
Pergunte ao tratador da sua piscina se os drenos da sua piscina ou spa estão em conformidade com a Lei de Segurança de Piscinas e Spas.

Piscinas grandes e infláveis ​​acima do solo tornaram-se cada vez mais populares para uso em quintais. As crianças podem cair se apoiarem no lado macio de uma piscina inflável. É essencial que tenham uma cerca de proteção para que as crianças não possam ter acesso sem supervisão.

As crianças devem usar coletes salva vidas aprovados sempre que estiverem em barcos, docas etc.
Certifique-se de que o colete salva-vidas seja do tamanho certo para a criança. Asas infláveis, brinquedos, jangadas e colchões de ar não devem ser usados ​​como coletes salva-vidas ou dispositivos de flutuação pessoal. Os adultos devem usar coletes salva-vidas para sua própria proteção e para dar um bom exemplo.
Sempre que você estiver em um barco, crianças e adultos, devem usar colete salva-vidas.
Nunca nade sozinho. Até os bons nadadores precisam de amigos!

Um salva-vidas (ou outro adulto que saiba sobre resgate na água) precisa observar as crianças sempre que elas
estiverem dentro ou perto da água. As crianças mais novas devem ser supervisionadas de perto enquanto estiverem dentro ou perto da água, utilize a “supervisão táctil”, mantendo-as a uma distância não superior a um braço.
Nunca deixe uma criança nadar em canais ou em águas com movimento.

Fique seguro com esportes e exercícios físicos
Embora a natação seja frequentemente considerada uma forma de exercício
relaxante e de baixo impacto, pode haver
lesões ou outros problemas. Se uma criança estiver participando de um nível significativo de exercícios na piscina, um pediatra ou médico responsável sobreesportes deve ser consultado. Deve ser feitos exames médicos para evitar ou
identificar possíveis problemas de saúde que precisem ser resolvidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Tratador de Piscina Moisés Cuiabá MT

1- O que levou a entrar na profissão de tratador de piscina? Conte um pouco de sua históri…